Festival de Artes integradas

Posts com tag “A Nuvem

O sábado no Alambique

O terceiro dia do Alambique foi aberto com a apresentação da Pequena Morte. Ska contagiante que marcou a primeira circulação da banda pelo programa Música Minas e a sua primeira apresentação em Barbacena. Eles caem na estrada ainda hoje e o próximo show será em Fortaleza. Em breve a banda pretende entrar em nova tour e surpreendeu o público do Alambique do Som tocando duas música novas.

A segunda banda se apresentou na terceira noite do Alambique do Som foi a banda de Lagoa Santa foi a Nuvem um power trio do caralho que deu a noite um som irreverente com letras bem trabalhadas fiquei impressionada com a qualidade do som dos caras mais uma banda para o meu playlist. Logo em seguida a banda residente de Barbacena Pre Pagos invadiu o palco com uma pegada forte e abrasileirada o show foi seguindo com a mesma animação ate a ultima música.


E para encerrar a noite da banda de São Paulo Saulo Duarte e a Unidade veio com mais vigor ainda com uma performance de palco gritante além de um foda os caras são naturais do nordeste do Brasil onde caindo no som o brega em certas músicas é supriendente.

Texto: Dihleeall e Marcos Faria

Foto: Dihleeall

Anúncios

A Nuvem, do céu pro Alambique

O power trio, formado por Raul Mariano (guitarra e voz), Juan Fernandes (baixo e voz) e Tiago de Alencar (bateria e voz), é uma das promessas da música independente mineira produzida além da zona sul belo-horizontina. O EP, de cinco músicas, é uma mistura da música pop nacional com o indie rock dos anos 00 misturado a alguns elementos do indie rock dos anos 90, sobretudo por algumas distorções de guitarra, que funcionaram muito bem – e por que não? – deveriam ser mais usados. A dançante Pra Ser Assim Como Eu abre o álbum e tem tudo para ser o hit d’ A Nuvem. Com guitarras pesadas e uma boa letra é a melhor música do álbum. Rumo ao Precipício tem alguns elementos do folk, que tanto marcaram a música independente nacional nos últimos anos. A balada Estela tem ares pop dos anos 00, mas com algumas características que remetem ao Clube da Esquina. Como disse um amigo, a letra poderia, facilmente, ter sido escrita por Lô Borges caso tivesse nascido em meados da década de 1980.